266407616_657923218534891_5620613494774979173_n.png

SOBRE O VATICANO II

86906b68d2a52712a832657c52de4815-divisor

Por Sua Excelência Reverendíssima  Bispo Donald Sanborn

A questão central para todo católico desde o Vaticano II é esta: a religião que saiu do Vaticano II e suas mudanças é a mesma religião de antes do Vaticano II?

 

Se a resposta for “Sim, é a mesma religião”, então não há necessidade de rejeitá-la ou condená-la. Seria cismático e até herético rejeitá-lo.

 

Se, por outro lado, a resposta à pergunta for “Não, não é a mesma religião”, então os católicos devem rejeitá-la intransigentemente, da mesma forma que a Igreja rejeitou e condenou todas as heresias no passado.

 

Assim como não há meio-termo entre sim e não, também não há meio-termo entre aceitar as reformas do Vaticano II como fé católica ou rejeitá-las como não-católicas.

 

“Eu professo que essas reformas heréticas, malignas e blasfemas não podem de forma alguma provir  da Igreja Católica Romana, uma vez que ela é infalível em suas doutrinas, disciplinas  e culto litúrgico.”

 

Essa passagem é uma profissão de fé na infalibilidade e indefectibilidade da Igreja Católica. A própria essência da Igreja Católica consiste na assistência que Cristo, sua Cabeça Invisível, dá a ela, todos os dias até a consumação do mundo, como Ele disse antes da ascensão. Ele realiza essa assistência por meio do Espírito Santo, o Paráclito. Se você retirar essa ajuda da Igreja, ela não será diferente de nenhuma igreja ou religião meramente humana, e estará sujeita a todos os erros religiosos e desvios que têm atormentado a humanidade desde a época da queda de Adão e Eva. A própria razão pela qual damos nosso assentimento de fé ao ensino da Igreja é que ela tem essa assistência de Cristo, e tem o poder de ensinar em Seu Nome.

 

A assistência significa que a Igreja é indefectível, isto é, permanecerá até o fim dos tempos como instituição visível e hierárquica, e que permanecerá sempre a mesma, tal como Cristo a fundou. Isso significa que, por meio de sua hierarquia, ela sempre ensinará as mesmas doutrinas, tanto dogmáticas quanto morais, sempre manterá as mesmas práticas litúrgicas essenciais e sempre prescreverá as mesmas leis e disciplinas essenciais. Por este princípio, sua liturgia, embora possa variar em formas acidentais, deve sempre ensinar a doutrina católica, e somente a doutrina católica, em seus ritos e cerimônias. Na disciplina, a assistência de Cristo garante que a Igreja nunca fará uma lei que prescreve ou permite algo que é pecaminoso.

 

Como conclusão lógica (...) a religião do Vaticano II é um desvio substancial da verdadeira Fé, dizemos que é impossível que esse desvio substancial proceda da autoridade de Cristo, que está investida na hierarquia do Igreja Católica. "Tudo o que ligares na terra será ligado também no céu." Seria contrário às promessas de Cristo de que a hierarquia católica promulgasse o que é uma alteração substancial da fé católica.

. . .

Os promulgadores modernistas do Vaticano II e suas reformas são destituídos de qualquer autoridade eclesiástica devido à sua intenção de promulgar à Igreja Católica Romana a transformação substancial de suas doutrinas, liturgia e disciplinas essenciais, e aqueles eleitos ou nomeados para posições de autoridade, embora legitimamente, devem ser considerados como falsos papas e falsos bispos.

 

Consequentemente, deve-se rejeitar aqueles conhecidos como João XXIII, Paulo VI, João Paulo I, João Paulo II, Bento XVI e Francisco como falsos papas, bem como qualquer pessoa no futuro que possa reivindicar ser papa, mas que, ao mesmo tempo, pretende promulgar o Vaticano II e suas reformas.

. . .

Perguntas e Respostas Sobre o Vaticano II

 

- Bispo Donald Sanborn -

  • Qual é o problema do Concílio Vaticano II?

 

O Concílio Vaticano II ensinou doutrinas já condenadas pela Igreja e promulgou disciplinas contrárias ao ensino e à prática constante da Igreja.

  • Que doutrinas ele ensinou que já foram condenadas?

 

Ele ensinou quatro erros principais:

 

  1. a respeito da unidade da Igreja; 

  2. a respeito do ecumenismo; 

  3. com relação à liberdade religiosa; 

  4. em relação à colegialidade.

 

 

  • Que falsa doutrina ele ensina a respeito da unidade da Igreja?


O Vaticano II ensina a heresia a respeito da unidade da Igreja, ou seja, que a Igreja de Cristo não se identifica exclusivamente com a Igreja Católica, mas simplesmente subsiste nela. Esta doutrina herética está contida principalmente na Lumen Gentium e seu significado herético é confirmado nas declarações de Paulo VI e seus sucessores, em particular no Código de Direito Canônico de 1983, na Declaração de 1992 relativa à Igreja e à comunhão, e no Diretório Ecumênico. É contrário ao ensinamento da Igreja Católica, contido principalmente no Satis Cognitum do Papa Leão XIII, Mortalium Animos do Papa Pio XI, Mystici Corporis do Papa Pio XII e nas condenações da “teoria do ramo” levada pelo Santo Ofício sob Papa Pio IX.

 

  • Que falsa doutrina ele ensina em relação ao ecumenismo?

 

O ensino do Vaticano II sobre ecumenismo, que afirma que as religiões não católicas são um meio de salvação, é abertamente herético. Esta doutrina contradiz diretamente o ensino da Igreja de que não há salvação fora da Igreja Católica, no ensino que o Papa Pio IX chamou do dogma católico mais conhecido. Além disso, as práticas ecumênicas que resultaram desta doutrina herética são diretamente contrárias a Mortalium Animos do Papa Pio XI.

 

  • Que falsa doutrina ele ensina a respeito da liberdade religiosa?


O ensino do Vaticano II sobre a liberdade religiosa, contido na Dignitatis Humanae, afirma quase palavra por palavra a mesma doutrina que foi condenada pelo Papa Pio VII em Post Tam Diuturnas, pelo Papa Gregório XVI em Mirari Vos, pelo Papa Pio IX em Quanta Cura e pelo Papa Leão XIII em Præstantissimum Libertas

 

Os ensinamentos do Vaticano II sobre a liberdade religiosa também contradizem a realeza de Jesus Cristo sobre a sociedade, conforme expresso nas Quas Primas do Papa Pio XI, e a atitude e prática consistente da Igreja para com a sociedade civil.

 

  • Que falsa doutrina ele ensina em relação à colegialidade?

 

O ensinamento do Concílio Vaticano II a respeito da colegialidade altera a constituição monárquica da Igreja Católica, com a qual foi dotada pelo Divino Salvador. A doutrina do Vaticano II, confirmada pelo Código de Direito Canônico de 1983, que afirma que o sujeito (o possuidor) da autoridade suprema da Igreja é o colégio dos bispos em comunhão com o Papa, é contrária a doutrina definida nos Concílios de Florença e Vaticano I.

 

  • Quais são os problemas da Nova Missa e das mudanças litúrgicas que foram promulgadas desde a exaltação do Vaticano II?

 

As modificações litúrgicas do Vaticano II refletem os erros doutrinários que acabei de mencionar. A nova liturgia é uma liturgia ecumênica e procura apagar todas as doutrinas que são claramente católicas e desviar a liturgia católica em uma forma de culto que não seria ofensiva aos protestantes. É centrado no homem e é despojado de todo simbolismo sobrenatural. A Ordo Missae de Paulo VI introduziu uma má disciplina litúrgica, porque:

 

  1. Contém uma definição herética de Missa;

  2. Foi composta com o propósito expresso para estabelecer uma liturgia ecumênica, agradável para os protestantes, despojada das verdades católicas sobre o Sacerdócio, o Santo Sacrifício da Missa e a presença real de Cristo na Sagrada Eucaristia;

  3. Foi escrita com a ajuda e participação de seis pastores protestantes, que mostram o espírito herético em que ele estava projetada e formulada;

  4. Seus autores têm sistematicamente removido de suas orações e doutrinas as lições que seriam ofensivas para os hereges;

  5. Ela ensina, tanto por suas omissões, por seu simbolismo e suas expressões, heresias e erros relativos ao sacerdócio, o Santo Sacrifício da Missa e a presença real de Cristo na Sagrada Eucaristia. Além disso, provavelmente não é válida devido a um falta de intenção que é provocada naquele que a celebra, e devido a uma alteração blasfema da palavra de Cristo na fórmula de Consagração, falada em língua vernacular.

 

 

  • Qual é o problema das disciplinas emanadas do Vaticano II?

 

O Código de Direito Canônico de 1983 contém a heresia do Vaticano II sobre a Igreja, mencionada acima. Também permite o sacrilégio ao Santíssimo Sacramento, aprovando a sua recepção por não católicos, que é um pecado mortal, e autorizando a communicatio in sacris (a participação ativa de católicos no culto de religiões não católica) com não católicos, que é também um pecado mortal. Além disso, o Diretório Ecumênico de 1993 permite práticas ecumênicas que sempre foram consideradas pecados mortais pela Igreja.

 

  • O que tudo isso significa?

 

Isso significa que do Concílio Vaticano II e de suas reformas subsequentes nasceu uma nova religião, uma religião que é significativamente diferente da Fé católica fundada por Cristo. Os reformadores mudaram drasticamente os três principais constituintes da religião: a doutrina, adoração e disciplina. O resultado é que os reformadores promovem uma religião do ecumenismo em vez da religião Católica Romana, que sempre ensinou que só ela é a única e verdadeira Fé, e que todas as outras religiões são falsas. A Religião do Vaticano II ensina doutrinas que foram condenadas pela Igreja no passado. Ela coloca no lugar ritos e disciplinas de natureza protestante. Assim, a religião que os católicos encontram em suas paróquias e escolas, embora nominalmente católicas, são uma nova religião não católica já condenada pela Igreja Católica.

A indefectibilidade da Igreja aplicada à religião conciliar
Monsenhor Sanborn

O Sedevacantismo em três Minutos

  • Facebook - círculo cinza
  • YouTube - círculo cinza

Pesquise no Site:

La Salette.png

Não há mais ninguém digno de oferecer a Vítima Imaculada ao Pai Eterno em favor do mundo.

 

Nossa Senhora de La Salette

statue-7.jpg

 Entre os gritos

"Tudo está perdido"

e "Tudo está salvo" 

haverá quase nenhum intervalo.

Abade Souffrant  

Contate-nos

Obrigado pelo envio!

Picture1.jpg

"Com este Sinal Vencerás!"