top of page
  • Foto do escritorApostoli Christi

Hora Santa de Julho

- por Padre Mateo Crawley-Boevey -

Que afortunada surpresa a dos infelizes que na volta dum caminho se encontravam de repente com Jesus, lá na Palestina! Que imensa consolação para esses privilegiados de Jerusalém, de Naím, de Betânia, dirigir e derramar com plena liberdade, naquele instante propício, as suas súplicas e lágrimas sobre o Coração de Jesus!


Também nós, nesta hora bendita, somos do número desses felizes privilegiados… Aqui Vos encontramos, Jesus de Nazaré e do Tabernáculo. Reparai em nós: Vivemos em Vossa procura, para nos confortarmos um instante, à sombra deliciosa do Vosso Sacrário… E viemos também para defender a Vossa causa. Um bramido de raiva e blasfêmia advertiu-nos de que os Vossos inimigos jurados não Vos dão tréguas em Vos arrancar às almas e à sociedade. Se haveis de sofrer, agonizar e morrer, ó Jesus, eis aqui um pequeno rebanho que quer ser ferido ao lado e por causa do Pastor.


Vós o dissestes, com a alma trasbordando de amargura, à Vossa serva Margarida Maria: “Quero repartir a Minha agonia; tenho necessidade de corações vítimas”. Disponha de nós, Senhor. Nós amamos-Vos ardentemente. Nós amamos-Vos ardentemente. Nós todos Vos amamos.


(BREVE PAUSA)


Correi, Senhor, o véu que nos oculta o Santo dos Santos: o Vosso Divino Coração… Permiti aos Vossos filhos meditar durante esta HORA SANTA os sofrimentos que Vos causam os ultrajes dos homens, e a dor que provais no ódio daqueles que o Vosso Sangue remiu! Acendei a Vossa luz nas nossas almas, e deixai-nos, seguir-Vos passo a passo nesta incruenta Via Dolorosa, que começa nas sombras de Getsêmani, para acabar no último dia do mundo…


Não obstante a nossa indignidade, permiti aos Vossos confidentes e consoladores participarem do cálice dos Vossos opróbrios e agonia… Dai-nos, ó amável prisioneiro, um só privilégio: de Vos amarmos na ignomínia da Vossa Paixão, de nos unirmos, durante esta HORA SANTA, à Vossa agonia, de Vos consolarmos até a morte, no Getsêmani perpétuo do Vosso Coração sacramentado… e expirar sobre Ele em íntima comunhão de reparação e de amor.


(Peçamos luz e amor para contemplar Jesus Cristo no misterioso sacrifício da Eucaristia).


(PAUSA)


Voz de Jesus Cristo:

Alma diletíssima: na Hóstia onde Me vês, Eu vivo silencioso e mudo perpetuamente arrastado perante os Herodes modernos… Não ouves o insolente interrogatório que Me fazem suportar, a Mim que sou o Poder supremo, a Verdade, e o Mestre único?… E calo por teu amor, por ti, a quem salvo, sofrendo a condenação ignominiosa dos poderosos da terra, juízes dos homens, não, porém da Minha doutrina… Eles ambicionam uma autoridade tirânica, para a exercer contra Mim. E Eu sou perpetuamente a sua Vítima… Para eles o trono, para Mim o banco dos réus; para eles o cetro de ouro, para Mim a cana de irrisão; para eles o aplauso das turbas, para Mim a corte do desprezo, e a túnica branca dos loucos; para eles o diadema e as homenagens, para Mim a coroa de espinhos, os impropérios, o esquecimento: sempre o esquecimento!


E, se talvez, em meio das suas falsas grandezas, estes poderosos da terra recordam a Minha Realeza, o Meu nome vai desencadear tempestades de ódio, perseguição e blasfêmia… E eis aí como sou chamado perante o juízo do mundo, do mundo que vive porque Eu o consinto!


Mas calo… Na Eucaristia sou a encarnação da misericórdia e do amor. Esta revolta contra a Minha soberania… Este desconhecimento da Minha realeza soberana nas leis que regem os povos são um ultraje direto e uma blasfêmia contra Mim, que Me deixo estar, apesar de tudo, entre os homens, aniquilado, embora onipotente, no Sacramento do Altar.


Esta injúria, não é ela acaso um verdadeiro desafio ao Deus da Eucaristia, que te fala desde o Seu Tabernáculo, trocado tanta vez em Pretório de Pilatos?… Aqui suporto, sem Me queixar, as afrontas dos escravos e as mofas dos vilões. Aqui ninguém Me vem buscar, senão quando os tribunais da terra decretam flagelar-Me para Me apresentarem depois ensangüentado ao furor das turbas…


O Meu divino Coração sente-se consolado com as vossas reparações! Durante esta HORA SANTA o amor ardente dos Meus compensa-Me das irrisões dos poderosos. Vós, ricos humildes, e pobres resignados, sois o bálsamo das Minhas feridas. Desde aqui vos abençôo, amigos fidelíssimos. Falai, Meus filhos! Pedi milagres ao Meu amor, vós os predestinados do Meu Coração. Falai, Eu sou o Rei das misericórdias infinitas.


(PAUSA)



As almas:

Senhor Jesus, a Vossa alma, sensível à nossa fidelidade, oferece-nos milagres e perdão! Dignai-Vos, portanto, espalhar as graças da Vossa luz sobre os poderosos, os governantes, os ricos, que associados à Vossa autoridade, carecem conhecer-Vos, ó Jesus na Vossa Eucaristia, e proclamar que aceitam a Vossa autoridade redentora, manancial de paz e salvação.


Em reparação das afrontas que padecestes diante do iníquo Herodes, e das que suportais nos palácios dos grandes da terra…


(Todos repetem em voz alta as palavras em itálicos).


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Nas assembléias, onde se fazem as leis, e nos tribunais da justiça humana, tão sujeitos a erro…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Na consciência tão versátil e tortuosa dos que presidem aos destinos das nações…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Nos conselhos de tantos governantes que se levantam contra o Vosso Calvário…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Nas sedições populares, exploradas para ultrajar a Vossa doutrina…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Na colisão de tantos interesses, em que os miseráveis especuladores da terra só buscam o triunfo da fortuna e do orgulho…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Nas conjurações diabólicas, medidas na sombra contra o Vosso sacerdócio e a Vossa Igreja…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Na imprudente quietação de tantos cristãos na apatia e indolência de muitos que pretendem adorar-Vos e ser fiéis, sem Vos seguirem até ao Calvário…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


Na ambição desenfreada de grandeza e luxo, que seduz um grande número de almas infelizes. à custa do Vosso Sangue redentor e da sua eterna condenação…


Realizai as Vossas promessas de vitória, ó Divino Coração!


(PAUSA OU CÂNTICO)



Voz de Jesus:

Eu sou a santidade, assim o afirmais ajoelhados diante da Minha Hóstia; assim o proclama o Céu unindo-se durante esta HORA SANTA às vossas humildes adorações… Eu sou a santidade, e, todavia Barrabás foi-Me preferido… Ah! E quantas vezes esta ímpia preferência se repete por ódio, desprezo… Esquecimento!


Tal afronta abre uma ferida cruel no Meu Coração: apesar disso Eu contínuo no Tabernáculo, Deus de humildade. O mundo frívolo e vão que vive de soberba, não compreende Deus aniquilado, nascido num estábulo. Reparai como as almas orgulhosas passam diante do Meu Altar, afadigadas, sequiosas de ostentação e ávidas da estima e dos aplausos dos homens. Passam… e preferem-Me uma honra toda impostura…


Assim vivo retirado na sombra do Meu Santuário, e ergo de cá a Minha voz: Aprendei de Mim que sou humilde e pobre… Sim, sou pobre, pois renunciei a todos os bens da terra para vos comprar os tesouros do Paraíso. Fiz-Me pobre e mendigo… e eis aí está porque sou desprezado pelo mundo ambicioso de ouro e do seu falaz esplendor. Que valho Eu, que nasci na pobreza de Belém, vivi na obscuridade de Nazaré, expirei na nudez do Calvário, e Me perpetuo nos aniquilamentos da Eucaristia?


Por amor Me fiz pobre, e por bem amarga e inverossímil contradição sou um pobre desprezado, a quem se prefere a miserável riqueza do mundo.


(BREVE PAUSA)


Estou coberto de feridas… Minhas mãos, que chamam e abençoam, atravessadas… Meus pés trespassados… A Minha fronte dilacerada… A boca lívida… escurecidos os olhos… ensangüentado o corpo… o Lado aberto… Ah! como se arrepiam os mortais à vista de um Deus derramando Sangue, eles, que já desde o exílio querem as delícias dum paraíso antecipado… Quem Me reduziu a tal estado? O amor que vos consagro, e a sede, em que o mundo arde, de gozos e prazeres.


No Meu santuário, onde permaneço, dou-Vos a paz e a felicidade, mas através de espinhos e de Cruz. Onde estão os Meus amigos, os Meus fiéis, os Meus discípulos? Onde estão? Para onde foram? Abandonaram-Me para ir à busca do prazer!… Preferem-Me o lodo da culpa. Barrabás o último dos homens, triunfa no mundo com os orgulhosos, libertinos, corruptores da infância, depravadores do povo, envenenadores da imprensa… Barrabás triunfa exaltado por quantos Me renegam e amaldiçoam nas leis… Políticos desleais, ambiciosos de subir para lançarem sobre Mim a ignomínia e a blasfêmia; poderosos, aclamados pelo mundo, que lhes atira flores e oferece palmas de vitória…


E Eu, Jesus, quedo-Me solitário no Meu Sacrário, preso do Meu Amor, abandonado dos bons, renegado dos pusilânimes, esquecido da maior parte… condenado pelos governantes indignos, flagelado pelas turbas levantadas contra Mim… Amei os Meus filhos até a morte… e os da Minha casa preferiram-Me o pó e a lama dos caminhos.


Considerai e vede se há dor semelhante à Minha dor!…


(PAUSA)



As almas:

Ó Jesus, não é o discípulo acima do seu mestre… Vós que nos destes o exemplo, quereis que Vos sigamos levando com amor a cruz que salva. Nós pedimos-Vos essa graça nesta HORA SANTA, com a abrasada caridade de Maria, Senhora das Dores; com o fervor de Margarida Maria. Sim, nós abraçamos a cruz pelo triunfo do Vosso Coração na Santíssima Eucaristia. Escutai-nos, ó Jesus desde essa Hóstia; nós vimos oferecer-Vos a oração de Getsêmani, que é a oração do Vosso aniquilamento do Altar. Escutai-nos com a Vossa doce benignidade.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a glória de sermos pospostos a todos, por amor do Vosso Coração dolorido.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a alegria de sermos confundidos por amor do Vosso amargurado Coração.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a graça de sermos esquecidos por causa do Vosso Coração misericordioso.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a honra imerecida de sermos desprezados por amor do Vosso Coração angustiado.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a recompensa de sermos escarnecidos pela glória do Vosso Coração ferido.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a ambicionada felicidade de sermos injuriados pelo triunfo do Vosso Coração adorado.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos o incomparável gozo de sermos um dia perseguidos pelo amor do Vosso Divino Coração.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a coroa de sermos caluniados nos apostolados do Vosso Coração Sagrado.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a amável regalia de sermos atraiçoados em holocausto ao Vosso Divino Coração.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Dai-nos a honra de sermos aborrecidos em união com o Vosso Coração agonizante.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Dai-nos o privilégio de sermos condenados pelo mundo, por viver unidos ao Vosso Coração Sagrado.


Nós Vos amamos, ó Jesus! Concedei-nos a graça suprema de sermos fiéis com sacrifício de nós mesmos até ao holocausto, em reparação fervorosa junto do Vosso Coração imolado.


Oh! Sim, nós Vo-lo suplicamos: concedei-nos receber com amor a parte que nos toca nos vilipêndios e da agonia do Vosso Coração Sacramentado…


Consolai-Vos, Mestre amantíssimo: cada um de nós quer dirigir-Vos uma palavra de humildade e de confiança, protestando que só Vós sois o nosso único bem e toda a nossa esperança!…


(BREVE PAUSA)


Que tenho eu, Senhor, que não me tenhais dado?

Que sei eu, que Vós não me tenhais ensinado?

Que valho eu, se não estou a Vosso lado?

Que mereço eu, se a Vós não estou unido?


Perdoai-me os erros que contra Vós tenho cometido…

Pois me criastes, sem que eu o merecesse.

E me redimistes, sem que eu Vos pedisse.

Muito fizestes em me criar,

Muito em me redimir,

E não serás menos poderoso em perdoar-me,

Pois o muito Sangue que derramastes,

E a cruel morte que padecestes,

Não foi pelos Anjos que Vos adoram,

Mas por mim e pelos demais pecadores que Vos ofendem…


Se Vos tenho negado, deixai-me reconhecer-Vos

Se Vos tenho injuriado, deixai-me reparar-Vos,

Se Vos tenho ofendido, deixa-me servir-Vos,

Porque é mais morte que vida

A que não está empregada em Vosso santo serviço…


(PAUSA)



Voz de Jesus:

Como todos que estais aqui comigo sois Meus íntimos amigos, vou desafogar diante de vós o Meu Coração amargurado. Ouvi-Me: Sofre uma pena profunda, uma ferida que o dilacera:


Israel, Meu povo predileto; Israel pediu a Minha condenação, exigiu a Minha morte e arvorou a Minha Cruz.


Israel, por amor de quem flagelei o Egito, flagelou-Me a Mim! Despedacei as suas cadeias, e ele encadeou-Me a Mim! Dei-lhe maná no deserto, e corou-Me de espinhos a Mim! Fiz brotar água prodigiosa da pedra, para lhe apagar a sede, e ele insultou a febre abrasadora da Minha agonia! Desci do Céu, fiquei em arca misteriosa com ele no deserto… tantas vezes o quis abrigar debaixo das Minhas asas… e Israel deu-Me a morte.


Porque é que o Meu povo continua a despojar-Me da Minha realeza? Porque continua ainda a lançar sortes sobre a Minha túnica, e a lançar ao vento da irrisão o Meu Evangelho de caridade e consolação?


Vede como as multidões se agitam rugindo contra a Minha lei… como povos inteiros, seduzidos pela soberba, rasgaram a unidade sagrada da Minha doutrina e a túnica inconsútil da Minha Igreja!


O Meu Coração soluça dentro do peito, ao ouvir, como no átrio de Pilatos, o clamor das nações e dos Estados que Me apontam às turbas sobre este pobre altar, gritando: Não queremos que este reine sobre nós.


Ó Israel, Eu te perdôo!


(BREVE PAUSA)


O Meu Vigário é perpetuamente vítima das mofas da turba insensata… Ele é o Meu representante na terra… Na sua pessoa continuo eu a ser esbofeteado pelos insultadoras da Minha Igreja. E estes insultos são para Mim particularmente dolorosos. Ai daquele que levanta a mão contra o Pontífice, o Ungido do Meu Pai!


Detende o seu braço justiceiro… interpondo esta HORA SANTA, em união com o Meu ultrajado Coração, pois quero usar de misericórdia.


Sim, para a apostasia de tantas nações: para a descrença pública de tantos Estados: para as afrontas imprudentes ao Meu Vigário; para o ódio refinado e legal contra o Meu sacerdócio; para a iníqua tolerância e favor dado aos modernos fariseus: para este cúmulo de pecados; para esta pobre corte que me fere…; com voz bem uníssona, como duma só alma, rogai piedade ao Meu Coração. Invocai a Minha misericórdia.



As almas:

Prisioneiro de amor. Jesus Sacramentado, que a nossa oração atravesse as grades do Vosso cárcere, e chegue a Vós como incenso de adoração e desagravo, que Vos oferecemos, pelas mãos de Maria Imaculada.

(PAUSA)



Voz de Jesus:

Tudo, no Meu amor pelos homens, foi consumado com a instituição da Santa Eucaristia: Tudo! Mas, ah! A ingratidão humana consumou, também para Comigo, neste maravilhoso Sacramento, a obra da dor suprema.


Meus filhos, onde estáveis quando sobre o Calvário Eu era envolvido no silêncio duma solidão mais cruel do que a do sepulcro? Amigos do Meu Coração, onde estáveis, quando Meus olhos velados pelas lágrimas da agonia, só viam semblantes ferozes de verdugos?… Onde estáveis vós, então?… E quando, com o pensamento em vós, Meus predestinados, tive sede de vos ver unidos à Minha alma infinitamente angustiada, porque foram então Meus lábios umedecidos com o fel da ausência… da covardia… do esquecimento… da tibieza, por aqueles mesmos que eu convidara para o Meu banquete familiar?


Bem o sabeis: esta história não sucedeu só há vinte séculos… Contemplai-Me na Hóstia, e dizei-Me: a ingratidão não é o pão amargo e cotidiano do Deus feito alimento dos homens?… Quanto e em que vos hei contristado na Minha prisão voluntária, para selardes as suas portas com o abandono em que se deixa um sepulcro vazio e destruído?…


Oh! Vinde, rodeai-Me, abraçai-vos os Meus pés. Quero sentir-vos perto de Mim na agonia mística do Meu Coração sacramentado.


Hora desejada, hora bendita e afortunada, esta HORA SANTA, durante a qual o Vosso Deus recupera a Sua herança, o preço do Seu Sangue!


Eu vos abençôo por que tive fome, e vós, deixando o vosso descanso, viestes dar-Me o pão da caridade… Considero-vos Meus porque tive sede, e destes-Me a compaixão das vossas lágrimas; aperto-vos ao meu Coração desolado porque estive tristíssimo na solidão deste cárcere, e viestes fazer-Me deliciosa companhia. Em verdade, em verdade vos digo que os vossos nomes estão escritos para sempre em caracteres de fogo e sangue no mais secreto do Meu Coração amante.


Descansai sobre Ele, como Eu descanso agora sobre o vosso, filhos prediletos do Meu amor!



A alma:

Viemos, ó Mestre, não para repousar, mas para sofrer Convosco, para ter parte no Vosso cálice, para reparar as culpas que Vos ofendem, e pedir a vinda do Vosso Reino! Por isso, com a alma cheia da Vossa graça, nós não Vos deixaremos, sem Vos confiar o único desejo dos Vossos consoladores e amigos… o de Vos ver reinar, e avançar triunfante por intermédio do Vosso Coração… Revelai-Vos a estes Vossos humildes apóstolos, para que sintam os ardores inefáveis que só a Vossa possessão e o Vosso reinado podem apagar.


Cedei, pois, Jesus amantíssimo, e em meio das aflições e sobressaltos da vida.


(Todos repetem em voz alta as palavras em itálico).


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas afeições caducas e enganadoras da terra…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas desilusões da amizade terrena, nas fraquezas do amor humano…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas seduções tentadoras da vaidade, nos abrolhos tão freqüentes do caminho…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas castas e legítimas alegrias dos lares que Vos adoram…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas veleidades da adulação e da fortuna enganadora…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas horas de paz da consciência, e nos momentos de remorso salutar…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas tribulações dos nossos, ao ver sofrer quem amamos…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nos desfalecimentos do coração, quando sentimos o cansaço do exílio…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


Nas incessantes contradições, nos dias da incerteza e de amargo quebranto…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


No momento da tentação, na hora suprema do apartamento da terra e da última Comunhão…


Vinde!… Temos sede do Vosso adorável Coração!


(PAUSA OU CÂNTICO)



As almas:

Ao ver-Vos, ó Jesus, tão perto e tão benigno, longe de exclamar como o Vosso Apóstolo: “Afastai-Vos, Senhor, porque somos miseráveis pecadores…” queremos, ao contrário, vir ao Vosso encontro encurtar a distância e apertar uma feliz intimidade entre o Vosso Coração e os nossos.


(LENTO E PAUSADO)


Vinde, ó Jesus, vinde repousar sobre o nosso amor, quando os soberbos governantes da terra blasfemarem da Vossa Lei e do Vosso Nome… recordai-Vos de que somos Vossos… de que estamos consagrados à glória do Vosso divino Coração!


Vinde, ó Jesus, vinde repousar sobre o nosso amor, quando as multidões, reunidas por Lúcifer e os sectários seus sequazes, assaltarem os Vossos santuários e reclamarem o Vosso Sangue… recordai-Vos de que somos Vossos… de que estamos consagrados à glória do Vosso Divino Coração!…


Vinde, ó Jesus, vinde repousar sobre os vitupérios e as cadeias, com que os poderosos do mundo e presumidos sábios, cujo orgulho condenastes com firmeza, ultrajarem a Vossa Igreja… recordai-Vos de que somos Vossos… de que estamos consagrados à glória do Vosso Divino Coração!…


Vinde, ó Jesus, vinde repousar sobre o nosso amor, quando milhares de cristãos, esquecidos da Vossa adorável Pessoa, Vos magoarem cruelmente com a sua ociosa indiferença, que é um frio punhal cravado no Vosso peito sacrossanto… Recordai-Vos de que somos Vossos… de que estamos consagrados à glória do Vosso Divino Coração!…


Vinde, ó Jesus, vinde repousar sobre o nosso amor, quando tantos, que se dizem bons e virtuosos, Vos regateiarem avaramente o seu afeto, Vos oferecerem uma mesquinha, confidência, e Vos negarem o conforto do seu sacrifício e santidade… recordai-Vos de que somos Vossos… de que estamos consagrados à glória do Vosso Divino Coração!…


Vinde, ó Jesus, vinde repousar sobre o nosso amor, quando Vos oprimir a deslealdade, quando Vos amargar a tibieza das almas predestinadas, que por vocação deveriam ser inteiramente Vossas e santas… então como sempre, nessa hora de desolação sem igual… recordai-Vos de que somos Vossos; volvei a nós os Vossos olhos tristes e suplicantes e não Vos esqueçais de que somos Vossos filhos, consagrados para sempre à glória do Vosso Divino Coração!…


Padre-Nosso e Ave-Maria pelas intenções particulares dos presentes.

Padre-Nosso e Ave-Maria pelos agonizantes e pecadores.

Padre-Nosso e Ave-Maria pelo triunfo universal do Sagrado Coração, especialmente pela Comunhão diária, pela HORA SANTA, e pela Entronização do Sagrado Coração em lares, sociedades e nações


(PAUSA)


Vós sois, ó Jesus, o Deus escondido. Escondei-Vos na minha alma; e transformado eu noutra Hóstia humilde, fiquemos, Senhor, eternamente unidos, como na Comunhão, como nesta HORA SANTA… Vós no meu pobre coração, e eu perdido para sempre no abismo de luz do Vosso Coração sacratíssimo.


Venha a nós o Vosso Reino!


 

HORA SANTA – MÊS de JULHO- R. P. MATÉO CRAWLEI-BOEVEY dos Sagrados Corações (PICPUS)

374 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Комментарии


bottom of page