INVALIDADE DO NOVO RITO

DE CONSAGRAÇÃO EPISCOPAL DE 1968

Resumo de "Absolutamente Nulo e Totalmente Vazio"

pelo Rev.  Padre Anthony Cekada

traditionalmass.org

“Quando não houverem mais sacerdotes validamente ordenados, eles permitirão a Missa em Latim."


— Rev. Carl Pulvermacher OFM Cap
Antigo Editor da Revista The Angelus

“Conserve a casca, mas remova a substância."

 

— V. Lênin

Os tradicionalistas sempre se preocuparam com a validade da Nova Missa. Mas a questão de saber se as Ordens Sagradas conferidas com os ritos pós-Vaticano II são válidas dificilmente tem sido discutida como todas, embora o clero ordenado por bispos consagrados no novo rito - padres diocesanos, membros da Fraternidade de São Pedro, Instituto  Cristo Rei, etc. - estão agora oferecendo missas tradicionais em todos os lugares. Se os bispos que ordenaram esses padres não são verdadeiros bispos, obviamente, as pessoas que assistem a essas missas adoram e recebem apenas pão.

Duas questões centrais:

 

1. Que princípios a teologia católica emprega para determinar se uma forma sacramental (a fórmula essencial em um rito sacramental) é válida ou inválida?


2. Como esses princípios se aplicam ao novo rito de consagração episcopal?

Com esses dois pontos em mente, sentei-me para escrever meu próprio estudo sobre o novo rito. Por muitos anos, eu esperava encontrar tempo para abordar apenas essa questão e já havia coletado grande quantidade de material de pesquisa.

O artigo resultante é intitulado “Absolutamente Nulo e Totalmente Vazio” (uma frase do pronunciamento do Papa Leão XIII sobre a invalidade das ordens anglicanas), e foi publicado na internet em traditionalmass.org. [Disponível em português aqui.]

Completei o artigo em 25 de março de 2006. Mais tarde, notei que esta data era o décimo quinto aniversário da morte do arcebispo Lefebvre. Isso eu considerei providencial, porque o próprio Arcebispo me havia dito pessoalmente, nos anos 1970, que considerava inválido o novo rito da consagração episcopal.

Segue um breve resumo do artigo. Convido os leitores a consultar o original para mais detalhes. [Estudo completo»]

I. Princípios Gerais.

 

1. Cada sacramento tem uma forma (fórmula essencial) que produz seu efeito sacramental. Quando uma mudança substancial de significado é introduzida na forma sacramental através da corrupção ou omissão de palavras essenciais, o sacramento torna-se inválido (= não “funciona” nem produz o efeito sacramental).

2. As formas sacramentais aprovadas para uso nos ritos orientais da Igreja Católica são às vezes diferentes em termos de redação das formas do rito latino. No entanto, eles são os mesmos em substância, e são válidos.

3. Pio XII declarou que a forma para as Ordens Sagradas (ou seja, para o diaconato, sacerdócio e episcopado) deve significar univocamente (= inequivocamente) os efeitos sacramentais - o poder da Ordem e a graça do Espírito Santo.

4. Para conferir o episcopado, Pio XII designou como forma sacramental uma frase do Rito tradicional de Consagração Episcopal que expressa univocamente:

  • o poder da Ordem que um bispo recebe e

  • a graça do Espírito Santo.

II. Aplicação para a Nova Forma.

1. O formulário de Paulo VI para a consagração episcopal aparece em um prefácio especial no rito, e o texto completo do formulário é o seguinte:


“Enviai agora sobre este eleito a força que de Vós procede, o Espírito soberano, que destes ao Vosso Amado Filho Jesus Cristo, e Ele aos Santos Apóstolos, que fundaram a Igreja por toda parte, como Vosso templo, para a glória e perene louvor do Vosso Nome.”.

Embora pareça mencionar a graça do Espírito Santo, a nova forma não parece especificar o poder da Ordem supostamente conferida. Ela pode conferir o episcopado? Para responder a esta pergunta, aplicamos os princípios estabelecidos na seção I.

2. A forma curta de Paulo VI para consagração episcopal não é idêntica às longas formas do Rito Oriental e, ao contrário delas, não menciona poderes sacramentais próprios de um bispo sozinho (por exemplo, ordenação). As orações de rito oriental que mais se assemelham ao prefácio da consagração de Paulo VI, além do mais, são orações não sacramentais para as instalações dos patriarcas maronitas e sírios, que já são bispos quando nomeados. Em suma, não se pode argumentar (como faz o artigo do The Angelus) que a forma de Paulo VI está “em uso em dois ritos orientais certamente válidos” e, portanto, válida.

3. Vários textos antigos (Hipólito, as Constituições Apostólicas e o Testamento de Nosso Senhor) compartilham alguns elementos comuns com o Prefácio de consagração de Paulo VI que envolve a nova forma, e o artigo do Angelus os cita como evidência para apoiar o argumento de que o novo rito é válido. Mas esses textos foram todos “reconstruídos”, são de origem questionável, podem não representar uso litúrgico real ou apresentar outros problemas. Não há evidências de que fossem formas sacramentais “aceitas e usadas pela Igreja como tal”um critério estabelecido pela constituição de Pio XII sobre as Ordens Sagradas. Assim, esses textos não fornecem evidências confiáveis para apoiar o argumento da validade da forma de Paulo VI.

4. O problema-chave na nova forma gira em torno do termo Espírito Soberano (Spiritus principalis em latim). Antes e depois da promulgação do Rito de Consagração Episcopal de 1968, o significado desta expressão provocou preocupações sobre se significava suficientemente o sacramento. Até mesmo um bispo da comissão do Vaticano que criou o novo rito levantou essa questão.

5. Dom Bernard Botte, o modernista que foi o principal criador do novo rito, sustentava que, para o cristão do século III, o Espírito Soberano conotava o episcopado, porque os bispos têm “o espírito de autoridade” como “governantes da Igreja”. Spiritus principalis significa “o dom de um Espírito próprio de um líder”.

6. Esta explicação é falsa e enganosa. A referência a dicionários, um comentário das Escrituras, os Padres da Igreja, um tratado dogmático e cerimônias de investidura não sacramentais do rito oriental revelam que, entre uma dúzia de significados diferentes e às vezes contraditórios, o Espírito Soberano não significa especificamente o episcopado em geral ou a plenitude das Ordens Sagradas que o bispo possui.

7. Antes que surgisse a polêmica sobre isso, o próprio Dom Botte chegou a dizer que não via como a omissão da expressão Espírito Soberano alteraria a validade do rito de consagração.

8. A nova forma não atende a dois critérios para a forma das Ordens Sacras, estabelecidos por Pio XII.

  • Porque o termo Espírito Soberano é capaz de significar muitas coisas e pessoas diferentes, não significa unívocamente o efeito sacramental.

  • A nova forma carece de qualquer termo que mesmo de forma equivocada conota o poder da Ordem que um bispo possui – a “plenitude do sacerdócio de Cristo no ofício e ordem episcopal” ou “a plenitude ou totalidade do ministério sacerdotal”.

9. Por estas razões, a nova forma constitui uma mudança substancial no significado da forma sacramental para conferir o episcopado.

10. Uma mudança substancial no significado de uma forma sacramental, de acordo com os princípios da teologia moral sacramental, torna um sacramento inválido.

III.Conclusão: Um Sacramento Inválido

Assim, uma consagração episcopal conferida com a forma sacramental promulgada por Paulo VI em 1968 é inválida – ou seja, não pode criar um bispo real.

Sacerdotes e outros bispos que derivam suas ordens de tais bispos são, então, invalidamente ordenados e consagrados também. Consequentemente, também são inválidos os sacramentos que conferem ou confeccionam que dependem do caráter sacerdotal ou episcopal (Confirmação, Eucaristia, Penitência, Extrema-Unção, Ordens).

4. Respostas às objeções.

1. “O contexto torna a forma válida.” A linguagem em outras partes do rito não pode curar esse defeito, porque um elemento essencial da forma (o poder da Ordem) não é apenas ambíguo, mas totalmente ausente.

2. “O formulário foi aprovado pelo papa”. Segundo Trento e Pio XII, a Igreja não tem o poder de mudar a substância de um sacramento. A omissão do poder da Ordem da nova forma muda a substância de um sacramento, então mesmo que Paulo VI fosse um verdadeiro papa, ele não teria o poder de fazer tal mudança. De qualquer forma, sua tentativa de fazê-lo prova que ele não era um verdadeiro papa.

* * * * *

A razão pela qual o rito Novus Ordo para fazer bispos é inválido pode ser resumido em uma frase: os modernistas mudaram as palavras essenciais removendo a ideia da plenitude do sacerdócio. Meu artigo “Absolutely Null and Totally Void” está disponível em traditionalmass.org. [Disponível em português aqui.]


 (maio de 2006)

768px-Orthodox_cross.svg.png

Leia também:

Qual é o Problema com o Vaticano II? 

E os Papas do Vaticano II?

O que há de errado com a nova missa?

  • Facebook - círculo cinza
  • YouTube - círculo cinza

Pesquise no Site:

São_Paulo_1.png

Glossário de Termos e Princípios

 

Esperamos que este glossário sirva como um auxílio útil e prático para aqueles que não estão familiarizados com certas expressões, tópicos ou princípios discutidos com frequência neste site.

statue-7.jpg

 Entre os gritos

"Tudo está perdido"

e "Tudo está salvo" 

haverá quase nenhum intervalo.

Abade Souffrant  

Redes Sociais

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube
As Sete Trombetas.png

Eis que venho em breve! Felizes aqueles que põem em prática as palavras da profecia deste livro.

Apocalipse 22, 7

linea-decorativa-png-3.png
linea-decorativa-png-3.png

O SANTO ROSÁRIO

Santo_Rosário_a_arma.png
1242b5ecc29d94840730f884aa1e0538-decora-

Devoção à Sagrada Face

santo-sudario-sagrada-face-nosso-senhor-

Toda vez que alguém contemplar a Minha Face, derramarei o Meu amor nos corações. E por meio da Minha Face obter-se-á a salvação de muitas almas.

Palavras de Nosso Senhor a Irmã Maria Pierina, 1945

linea-decorativa-png-3.png

Fazei resplandecer Sua Face sobre nós!

Ilumina Domine Vultum Tuum super nos

linea-decorativa-png-3.png
santa faz.jpg

Estendem-se redes diabólicas para arrancar a Fé dos corações, o mal se expande, os verdadeiros apóstolos são poucos, é necessário um remédio divino e este remédio é o Santo Rosto de Jesus.

Palavras de Nossa Senhora à Irmã Maria Pierina, 1938

linea-decorativa-png-3.png

Quem quiser crescer sempre em virtude e em graça, deve meditar todos os dias na Paixão de Jesus, porque não há exercício mais útil para santificar uma alma do que a consideração frequente das penas do Salvador.

São Boaventura

linea-decorativa-png-3.png
Picture1.jpg

"Com este Sinal Vencerás!"